30/04/2015

Parar de fumar impulsiona os negócios

foto

Em tempos em que a economia do país não vai tão bem, decisões de mudança e melhoria da qualidade de vida muitas vezes costumam ser adiadas sob o pretexto de não ser um bom momento.

Os depoimentos dos empresários Rafael Miquelloto, 32 anos e Fabio Pasinato, 35 anos entretanto, que fumavam em torno de um maço de cigarro por dia e pararam ha mais de um ano com o tratamento, demonstraram justamente o contrário, como a iniciativa do parar de fumar trouxe a energia e a força necessária para enfrentar o momento de crise e, além disso, impulsionar em muito os negócios:

Afinal, existe uma boa fase para parar de fumar? Como o fumar interfere nos hábitos de vida, concentração, desempenho e resultados do seu negócio? Foram abordadas questões como o que os motivou a parar de fumar, a relação com o trabalho, com funcionários, produtividade, qualidade de vida e nível geral de satisfação. A respeito da iniciativa em parar de fumar, afirmou Fabio:

“Quando eu fumava a dinâmica toda era diferente, em uma situação problema eu pensava, vou fumar um cigarro e depois resolvo, então deixava a questão de lado e não voltava, meu nível de exigência com meu negócio era baixo porque o nível de exigência comigo também estava baixo, tinha um olhar mais superficial sobre as questões do meu negócio”

Já Rafael,  afirmou ter tomado a decisão, entre outros motivos, pelo incomodo gerado pelo cigarro nas relações de trabalho: 

“Foi em uma reunião de trabalho para apresentação de uma consultoria importante, eu estava muito ansioso em razão do cigarro, e não conseguia me concentrar, ninguém fumava, e eu precisava sair para fumar. Era o melhor negócio do ano e eu estava deixando de lado, prejudicando minha vida profissional pelo cigarro. Me sentia discriminado, envergonhado. Aquele momento foi decisivo para mim. Foi quando busquei o tratamento.”

Ao ser questionado sobre a influência do cigarro nos negócios, Rafael ressaltou: 

“Sou consultor de empresas, um “resolvedor” de problemas. A apresentação pessoal tem muito peso. Acho que quando você é fumante você passa a mensagem para as pessoas de que você está com problema, está fumando, não está conseguindo resolver esse problema em sua vida, portanto no meu caso eu me sentia discriminado, percebia que gerava dúvida nos meus clientes, como eu ia resolver o problema deles, se eu não resolvia o meu próprio.”

Com relação aos hábitos de vida Fábio mencionou: 

“quando fumava não tinha muita motivação para fazer exercício, tinha mais vontade de beber, é aí tinha ressaca, noites mal dormidas, uma coisa leva a outra, um hábito ruím levava a outros hábitos ruins.”

Já após ter parado de fumar percebeu mudanças em relação à vida pessoal e profissional: 

“Tenho me preocupado mais com minha alimentação, retomei os exercícios, estou treinando para meio Iron man, estou mais exigente comigo, procuro cuidar da minha qualidade de vida e por isso estou com olhar diferente também para a qualidade de vida de meus funcionários, percebi que comiam mal, não saudável, incluí frutas na alimentação deles.”

“Meu olhar para meu negócio mudou, voltei a viver o meu negócio, mudei a forma de enfrentar as situações do trabalho, hoje consigo me concentrar, lidar com os problemas com mais naturalidade, observar a dinâmica do meu trabalho, estou me aprofundando na gestão da minha empresa e tenho muitos planos.

E com relação ao foco principal da pesquisa, qual seja, a existência de um momento bom ou ideal para parar de fumar, ambos foram taxativos: 

“Não tem momento bom. Se fosse esperar momento bom não teria parado. Quem fuma, quer fumar quando as coisas estão indo bem, para comemorar. E se as coisas estão indo mal, também quer fumar. O importante é a iniciativa. Com o primeiro passo, a iniciativa em parar de fumar, os hábitos mudam e tudo melhora.”

Nesse sentido Fábio ressaltou: 

“A economia já não está boa, as dificuldades para as empresas são muitas se a pessoa está fumando o cigarro se torna um problema a mais. Hoje tenho o controle da minha empresa em minhas mãos.”

Com relação à concentração, ao nível de stress, Rafael reiterou:

“Me sinto realmente muito bem, mais concentrado, focado. Parar de fumar é uma vitória que você conquista, as pessoas já começam a te olhar de forma diferente, se esse cara conseguiu parar de fumar, com certeza ele é capacitado, tem pulso, tem atitude.

(…) nunca fui tão disciplinado no trabalho como agora.

Meu nível de stress baixou muito, mudei a forma de trabalhar. A mudança de hábito trouxe coisas muito boas para minha vida. O bom hábito trouxe outros bons hábitos, alimentação, exercício. Quando faço exercício me sinto muito bem, o rendimento é outro, libera a endorfina. Estou em um momento profissional muito bom, nunca esteve melhor”.

Como se observa, ao contrário do senso comum, a espera pelo bom ou melhor momento não foi decisiva ou importante no parar de fumar. Ao contrário, a iniciativa, o primeiro passo em busca do tratamento sim foi decisivo pois impactou positivamente em uma série de outras mudanças.

O parar de fumar foi um “start” para romper o ciclo de hábitos ruins e resgatar hábitos saudáveis, que trouxeram bem estar, disposição, concentração, melhora da imagem de si mesmos e a imagem para os outros. Sensação de reconhecimento, superação, força, capacidade e credibilidade vieram como consequência do start inicial. Hoje, ambos vivem momentos profissionais muito melhores, mais focados e com melhores resultados em seus negócios.

Por: Dra. Ana Luiza Oliveira Prado Souza

 

 

Voltar

Escreva um comentário:

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *